[ editar artigo]

A Resistência à mudança do Jurídico

A Resistência à mudança do Jurídico

As novas condições em que estamos vivendo, exige a flexibilização dos antigos padrões de gestão. Enquanto perdurar o isolamento social, o mundo jurídico deve aproveitar o momento para dar as mãos à tecnologia.

Com isso, é necessário compreender que as mudanças geradas no mundo jurídico permitirão estar mais próximo à sua equipe, inovar em atividade internas, no contato com o cliente , principalmente, na transformação do trabalho tradicional.

A inserção nesse novo modelo exige mais que adaptações e sim, combate contra a  transmissão do vírus, pois os escritórios tendem a atuar de forma muito intuitiva em aspectos emocionais e pessoais diante das condições.

Desse modo, verificamos  o comportamento “padrão”,  aos quais serão destinadas às alterações junto à gestão da mudança durante esse período. Por isso, é essencial estarmos antenados com softwares jurídicos, à proteção de dados e aos modelos de gestão, pois o cliente está  constantemente em mudança e precisamos nos adaptar.

Contudo, não está sendo nada fácil transmitir para  a equipe a mudança cultural que estamos enfrentando. Mesmo assim, em muitos momentos,  a desconcentração e empatia aumentam, devido às questões enfrentadas.  Mas, vale ressalvar que todos estão passando por essas mudanças.

É necessário saber lidar com as diferenças...

Quando falamos das transformações que os escritórios enfrentarão, questionamos também a essencialidade dos serviços. Como fundamenta o art. 133 da Constituição Federal,  “o Advogado é indispensável à Administração da Justiça”. Pois bem, para prosseguirmos alinhados às novas mudanças, a reflexão sobre o modelo de negócio jurídico deve ser realizada,  sem permanecermos presos à procedimentos que hoje não geram diferença no resultado da prestação de serviço.

Isso pode ser facilmente analisado com os dados apresentados pelo Conselho Nacional de Justiça, em que as atividades do Poder Judiciário estão sendo realizadas com auxílio da tecnologia, com a realização de  mais de 20 mil reuniões em 30 dias.

O indicador de desempenho demonstrou que, em um mês, 6.481 usuários foram cadastrados e a  plataforma disponibilizada viabiliza sessões de julgamento, audiências ou reuniões. Além desses indicadores, os Tribunais estão fornecendo constantemente atualizações, apresentando o aumento de produtividade dos funcionários.

Com esses dados, constatamos a “paralisação” de muitos, por não conseguirem  ou   nem sequer tentarem adequar suas rotinas às novas mudanças. Durante esse período de isolamento, verifiquei que muitos escritórios permaneceram abertos para que colaboradores não faltassem com o cumprimento da atividade.

Nesse momento é preciso compreender o outro...

Em suma, é preciso compreender que, nesse momento, vivemos em um mundo flexível, onde os métodos para prestar serviços jurídicos devem e precisam ser reavaliados. O distanciamento físico não pode ser uma razão para que perdurem os mesmos erros e modelos de gestão tradicional até então prestados.

Dentre esses objetivos, se destaca a importância de elencar resultados que possam ser alcançados, juntamente com a relevância  do envolvimento do escritório em busca desse novo produto e não menos importante é a definição do tempo para essa realização.

Diante disso, o marco zero para a efetivação desses resultados deve proceder durante esse período em que as metodologias estão sendo renovadas, a fim de garantir o cumprimento das atividades diante do momento enfrentado.

Salienta-se que alguns quesitos serão exigidos neste, fase, para que possamos permanecer firmes em um momento de crise, a fim de garantir inovações e execução precisa ao que vem sendo solicitado aos escritórios, pois a tomada de decisão não é estritamente racional na interpretação das informações apresentadas.

No entanto, a gestão da mudança enfrenta resistência do jurídico em permanecer no  modelo tradicional exercido pelos escritórios. Mas o alcance de objetivos é traçado para mudar organizações por meio de suas ações e durante a resistência às adaptações tecnológicas. Do contrário, o mundo jurídico se distancia cada vez mais do cotidiano em que vivemos.

Assim, compreende-se que as mudanças decorrem daqueles que estão mais flexíveis às conexões e independência, derrubando as grandes barreiras que nos impedem de prosseguir. Hoje, estamos diretamente conectados em níveis diferentes e profundos aos impactos que, sem exceção,  nos atingiram. 

Por isso, a Revolução 4.0 e o exponencial da tecnologia geram reflexões às demandas existentes e desafios ao setor jurídico. Desse modo, podemos experimentar metodologias, avaliações e dinâmicas que delinearão uma configuração diferente ao modelo organizacional do escritório.

Por fim,  precisamos compreender que é preciso ser flexível às mudanças, pois assim, garantimos nossa permanência no mercado.

 

Comunidade Legal Hub
Kamille Ziliotto
Kamille Ziliotto Seguir

Advogada, consultora em Produção Jurídica, palestrante e autora de artigos em Gestão Legal.

Ler conteúdo completo
Indicados para você