[ editar artigo]

A Cooperação na Advocacia

Nas faculdades de direito, por muito tempo, ensinou-se que a advocacia se resumia em contencioso. Assim, grande parte dos advogados desconheciam outras formas de atuação, como a consultoria e mediação, por exemplo.

Com isso, o litígio sempre fez parte do “ser” advogado. Em conjunto com o saturamento do mercado jurídico, que conta hoje com mais de um milhão de advogados ativos no Brasil, internalizou-se uma competição muito grande entre os profissionais.

A competição em si não é algo ruim e está presente em nossa sociedade inevitavelmente. Empresas disputam por clientes para manter-se no mercado; profissionais disputam entre si por um emprego ou posição. Mas então, qual era o diferencial da advocacia?

A competição ultrapassava os limites das peças processuais e dos momentos de debates em uma audiência, criando um cenário de rivalidade entre os profissionais e deixando-os reféns do contencioso. Formou-se uma bolha ao redor do advogado.

A cooperação representa uma ação feita em conjunto. Requer a troca de conhecimento, experiências, ideias, com o objetivo de desenvolvimento e progresso mútuos. É o pensar no todo, coletivamente, para benefício de todos e consequentemente, do indivíduo.

O filosofo Mario Sergio Cortella, em seu livro “A Diversidade: Aprendendo a Ser Humano”, explica que: “as grandes conquistas da nossa espécie se deram pela cooperação, não pela competição”. Sua afirmação se dá justamente porque a troca de informações e experiências contribuem para o desenvolvimento de novas habilidades.

Sem a cooperação entre os advogados e, até mesmo, com profissionais de outras áreas, a advocacia estagnou, comprometendo o desenvolvimento do advogado e trazendo deficiências de habilidades como conquistar clientes e promover o seu negócio (Marketing), precificar o seu trabalho (Finanças), comunicar com o público de forma acessível (Comunicação), fazer gestão de pessoas (RH), gerir suas atividades (Administração) e utilizar novas tecnologias para aprimorar sua performance (Informática).

Com a chegada da era digital inicia-se um processo de desconstrução do modelo dos advogados rivais e competitivos ao extremo, mostrando que cooperar é necessário para evolução e inovação da profissão. Neste contexto, é sempre importante lembrar do ditado: “conhecimento não compartilhado é igual dinheiro em um cofre: perde o valor e não rende”.

Ainda que mais tardiamente quando comparado a outras áreas, o mundo jurídico vem percebendo que a cooperação proporciona solidez, economia e agilidade naquilo que se faz junto. Um problema do colega pode ser algo que já se tenha vivenciado. Ajudar ao próximo não o tornará menos competitivo no mercado. Ao contrário, o fará ser mais admirado.

Coopere e compartilhe conhecimento você também!

Comunidade Legal Hub
Janeffer De Araújo Franco
Janeffer De Araújo Franco Seguir

Advogada Controller. Coordenadora de Controladoria Jurídica no Marins Bertoldi Advogados.

Ler conteúdo completo
Indicados para você